quinta-feira, 4 de julho de 2013

MOVIMENTO DA LICENÇA CORONÉIS FOI ÀS RUAS DE ASSU NESTA QUINTA- FEIRA

Moradores de mais de 300 cidades foram às ruas pedir melhorias no transporte coletivo, prefeitos reduziram preços de passagens e prometeram providências, mas pesquisa divulgada esta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que poucas administrações municipais têm planos específicos e canais de participação popular para discutir mobilidade urbana. O Perfil dos Municípios Brasileiros (Munic) de 2012 revela que apenas 3,8% das 5.565 cidades do País têm plano municipal de transporte. "Conselhos Municipais de Transporte estão presentes em 6,4% dos municípios. O conselho municipal é onde a sociedade civil pode se pronunciar e o plano municipal pode detalhar desde a estrutura viária e o asfaltamento de ruas até itinerários de ônibus e tarifas das passagens. Os municípios precisam começar a atender as demandas da população e a população precisa entender que as transformações não acontecem do dia para a noite", disse a gerente da Munic 2012, Vania Pacheco por meio da assessoria de imprensa do IBGE em Brasília. O perfil dos municípios é baseado em respostas das prefeituras ao questionário do IBGE. As informações foram colhidas entre maio e dezembro de 2012. A existência de conselhos e de planos municipais de transporte cresce de acordo com o tamanho das cidades. Nos municípios que têm entre 100 mil e 500 mil moradores, 43,6% têm conselhos e somente 22,4% têm planos de transporte. Nos 38 grandes centros urbanos, com mais de 500 mil habitantes, as proporções sobem para 76,3% de cidades com conselhos municipais e 55,3% de cidades com planos de transporte. Para o superintendente geral do Instituto Brasileiros de Administração Municipal (Ibam), Paulo Timm, os planos municipais são instrumentos que expressam o resultado de um processo de planejamento e hoje não se pode admitir ações de políticas públicas sem o planejamento adequado. Os planos são importantes para análise de custo-benefício, verificar o que é possível fazer e se há alternativas mais convenientes. Os conselhos são importantes mecanismos de mediação, permitindo que uma pluralidade de interesses se manifeste. É fundamental que o gestor acredite no potencial dos conselhos como fonte de assessoramento e indicação de políticas. A pesquisa mostra que 7,7% dos municípios estavam em fase de elaboração do plano municipal de transporte e que 88,5% não tratavam do assunto. Somente 3,5% dos municípios brasileiros têm fundos municipais específicos para transportes, chagando a 47,4% das cidades com mais de 500 mil habitantes e menos de 2% nas cidades com até 20 mil moradores. Mobilidade urbana foi o principal item da pauta de reivindicações do movimento batizado de‘‘Dá Licença Coronéis”. A mobilização saiu às ruas de Assu nesta quinta- feira. O ponto de concentração e saída foi a Praça de Eventos Radialista Jota Keully percorrendo as principais vias de tráfego do município com término em frente ao prédio- sede da prefeitura municipal. O movimento foi pacífico e não registrou incidentes. A polícia militar acompanhou de perto a caminhada. Integrante da equipe de divulgação do 'Dá lLicença Coronéis', estudante universitário, representante da União Norteriograndense dos Estudantes - Urne e dirigente do Diretório Central dos Estudantes - Dce Francisco Sueldo de Araújo informou que na tarde desta sexta- feira o prefeito Ivan Júnior estará recebendo em seu gabinete uma comitiva formada por integrantes do movimento quando será apresentado um plano de mobilidade urbana delineado pelo executivo municipal.  Clique aqui e veja a galeria de fotos do manifesto.
Fotos: Blog de Olho no Assu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário